Pular para o conteúdo principal

A LINGUAGEM E A FORMAÇÃO DA CRIANÇA

A criança faz uso das múltiplas linguagens para atingir seus objetivos[1]

Ana Maria Louzada

Desde a mais tenra idade, a criança busca diferentes formas de se comunicar com o outro, por meio do choro, do riso, do gesto, das situações de brincadeiras, do desenho, das diversas indagações – dos seus por que, dentre outras.

Nesse sentido, as múltiplas linguagens constituem instrumento mediador nas/das práticas sociais e culturais infantis.

A linguagem é o principal elemento mediador, sendo o meio simbólico, por excelência, utilizado pelo ser humano para se comunicar e interagir com outros sujeitos. Além da dimensão da comunicação, a linguagem auxilia na ação e regulação do pensamento, viabilizando que o ser humano transforme e organize sua atividade prática através de instrumentos, controlando seu próprio comportamento e agindo e transformando o ambiente que o cerca. Essa função generalizante da linguagem é que vai nos permitir categorizar e ordenar o real e, sendo assim, ela se constitui num instrumento de pensamento (SARMENTO, 2009, p.39).

Assim, a linguagem que num primeiro momento se revela como atividade prática, vai se reconstituindo promovendo situações que envolvem a capacidade de planejar e antecipar ações. Antes de controlar o próprio comportamento, a criança começa a controlar o ambiente com a ajuda da linguagem. A criança faz uso das múltiplas linguagens para atingir seus objetivos. Nesse sentido o uso da linguagem representa para a criança uma forma de resolver seus conflitos.

A criança chora quando está com fome. A linguagem encarnada no choro ajuda a criança a resolver o seu problema. Ela chora e logo é alimentada. Assim, ela tem a atenção das pessoas com as quais convivem. Além do choro por causa da fome, da sede ou da fralda molhada, a criança também externa por meio do choro o desejo de ficar no colo, de brincar no parquinho. Ela aponta com o dedinho o brinquedo que está em cima da mesa, levantar o braço e bater palminhas para externar alegria, bater com a mão na mesa e/ou o pezinho no chão para revelar insatisfação, demonstrando dessa forma uma linguagem com função prática.

É nesse processo que a linguagem com função organizadora e planejadora vai se constituindo. Observamos por exemplo que ao desejar um brinquedo que está sobre a mesa, ela aponta para o mesmo chamando a atenção de quem está por perto, que logo pega o referido brinquedo e lhe entrega.

Além de a linguagem exercer tais funções: função prática, organizadora e planejadora do pensamento infantil, também exerce uma função social e comunicativa, que se origina nas interlocuções por meio do choro, do riso, do apontar o brinquedo, do bater palminhas quando está feliz, etc. É a partir da interação social, da qual a linguagem é expressão fundamental, que a criança se forma. É no processo de interação com as pessoas com as quais convivem que a criança se desenvolve. Nesse processo de interação salientamos a importância do diálogo com as crianças desde a mais tenra idade.

Ao trocar as fraldas, dar banho, alimentar, dentre muitas atividades que são realizadas diariamente com as crianças é de extrema importância conversar com elas, falar sobre as coisas que estamos fazendo com elas naquele momento. É importante sorrir, acariciar e num movimento de intensa interlocução também demonstrar que não gostou de algo e assim, ficar séria/sério. Com podemos ver, a educação por meio do diálogo começa muito antes de a criança interagir por meio da linguagem oral, isto é, antes de elas começarem a falar.

Quando as crianças começam a interagir com o espaço e tempo em que vivem por meio de outras formas de linguagem: a linguagem oral e a linguagem imagética (desenho, pintura, modelagem, brincadeiras de faz de conta, brincadeiras de roda, dentre outras) elas se revelam bastante indagadoras e questionadoras.

Para compreender esse mundo com múltiplas linguagens ela dialoga, questiona, e assim, provoca um movimento de intensa interlocução com os adultos, por meio de muitas perguntas, a chamada fase dos porquês.

O tempo todo, somos convidados a dialogar com as crianças.
Por isso, precisamos considerar e compreender as implicações da linguagem no processo de desenvolvimento infantil e educá-las com e pelo diálogo.





  




















 COMPRE LIVROS...

DENTRO DE CADA UM DELES CABE UM MUNDO


Clique Aqui


Postagens mais visitadas

DETALHANDO A SEQUÊNCIA DIDÁTICA

Este artigo faz parte das reflexões sobre a concepção de Projeto de Estudos, Sequência Didática e Atividades que constam nos artigos que publicamos anteriormentenesse blog.

- Projeto de Estudos: Implicações no Processo de Constituição da ConsciênciaCrítica;
- A Sequência Didática como parte do Projeto de Estudos
- Atividades Significativas: Possibilidades de Experiências Concretas e Reais.

 Sugerimos a leitura dos referidos artigos antes de refletir sobre as questões que apresentamos a seguir.

SITUAÇÃO DE ENSINO APRENDIZAGEM
Ana Maria Louzada
Para que possamos compreender o que significa Situação de Ensino Aprendizagem (SEA), necessário se faz retomarmos e destacarmos o conceito de projeto de estudos, atividade e sequência didática.

Nesse sentido, o projeto de estudos seria a organização macro de uma temática de estudos num processo de interlocução com/entre diferentes áreas do saber. Com base nos objetivos e metas de um projeto de estudos destacam-se as atividades a serem implementadas e que…

A SEQUÊNCIA DIDÁTICA COMO PARTE DO PROJETO DE ESTUDOS

Este artigo é uma continuidade das questões apresentadas em "Projeto de Estudos: Implicações no processo de constituição da consciência crítica".

Refletindo sobre Sequência Didática
Ana Maria Louzada
Na tentativa de demarcar uma nova proposta de organização do trabalho pedagógico, bem como de romper com as proposições ora intituladas de projetos de trabalho e/ou pedagogia de projetos, alguns teóricos vêm indicando a sequência didática, como forma de organização do trabalho a ser realizado no lócus da escola. Nesse sentido concebem o projeto e a sequência didática como propostas diferentes.

Observamos também, proposições de organização do trabalho pedagógico por meio de projetos como sinônimo de sequência didática. Assim, temos nos deparado com propostas ora intituladas de sequência didática, ora de projeto didático, e, ainda em determinadas situações de atividades.

Percebemos ainda, que dependendo das questões abordadas, o foco está na técnica realizada, no passo a passo da sequê…

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: Questões para Pensar!

Nesse post destacamos algumas reflexões sobre a Qualidade da Educação Básica.

Esse é um tema que precisa ser discutido e debatido exaustivamente no lócus das secretarias de educação, das escolas/sala de aula e das comunidades, tendo em vista a importância da participação de todos e todas na garantia da qualidade que tanto almejamos.

Sabemos dos desafios postos pelas Políticas Educacionais, mas entendemos que o contexto em que vivemos exige tomadas de decisões que levem em consideração a formação das crianças, dos adolescentes e jovens do nosso país. 
Clique Aqui para baixar em PDF
Clique Aqui para ver em Slideshare

PROJETOS DE ESTUDOS: Implicações no Processo de Constituição da Consciência Crítica

Ana Maria Louzada
A proposta de organização do trabalho pedagógico por meio de Projetos de Estudos tem como premissa básica a constituição de sujeitos com consciência crítica. Se constituir com consciência crítica, é a meta principal. Para tanto, necessário se faz romper com as práticas pedagógicas que insistem em considerar a criança um ser inacabado; ou um ser que se basta no processo de aprendizagem e desenvolvimento, e, ainda, não dá para continuarmos com práticas em que as crianças são vistas como meras executoras.

O Projeto de Estudo, como o próprio nome já diz, precisa ser planejado, sonhado, registrado e sistematizado de forma compartilhada. E em se tratando de projetos para estudos, implica em ser detalhado no sentido de garantir às crianças/estudantes, a produção, a apropriação e a objetivação dos conhecimentos, num processo de interlocução entre o conhecimento cotidiano e o conhecimento científico.

Isso significa dizer, que o seu detalhamento exige uma organização didática, na…